• Luiza Frazão

Peregrinação a lugares sagrados das Nove Irmãs das Hespérides


Enquanto Sacerdotisa responsável pelo Templo da Deusa de Óbidos, fui finalmente, neste último 15 de Agosto de 2022, fazer esta peregrinação há muito desejada, por terras do Norte. O objectivo era celebrar as 9 Irmãs ou Nove Hespérides, no seu dia, num dos seus lugares de poder no nosso território. Acabei por ir a dois, Senhora da Abadia e Monte Pombeiro, conhecido também como Monte de Santa Quitéria, em Felgueiras. Mas fiz a cerimónia que me inspiraram a fazer há uns dois anos, com jornada meditativa, inspirada numa antiga prática tibetana de transmutação de energias,

que por sua vez foi inspirada no trabalho das árvores que transmutam CO2 em oxigénio.


Realizei a minha cerimónia num lugar especial na Senhora da Abadia onde decorria a festa do dia 15 de Agosto que segundo alguma tradição é precisamente o Dia das Nove Senhoras. Também em Arganil e em Seia existe uma celebração neste dia, sendo ambos os lugares a Sua presença grandemente lembrada. Foi uma experiência cheia de poder e de magia que já faz parte da nossa devoção aqui do Templo do Jardim das Hespérides. As pessoas interessadas podem requerer os materiais através de mensagem dirigida ao Templo e mediante donativo para o mesmo. No dia seguinte passeei por Caldelas, por estradas ladeadas de belos carvalhos e recolhi águas destas termas famosas que ficam mesmo à beira do parque do Gerês.


Na quarta-feira regressei a casa, passando antes por Felgueiras, um santuário dedicado à Irmã do Centro, Quitéria, bem menos bonito porque impera o betão. Gostei de ver ao vivo o altar das Nove Irmãs que tanto vira em imagens da net e que apesar de tudo é precioso por conservar viva a memória do culto que por milénios as populações dedicaram a estas entidades estelares na origem. Depois rumei à Citânia de Briteiros e aí foi uma surpresa ver como todos os muros e paredes foram construídos usando a misteriosa técnica da maçonaria poligonal que tanto intriga as e os investigadores, embora por aqui se fale pouco ou nada nesta forma de construção extremamente inteligente, resistente a tremores de terra e outras acções do tempo, que

podemos encontrar por todo o lado, desde o Peru ao Japão, ou à Grécia onde, para minha surpresa também, ela pode ser vista no lugar do famoso oráculo de Delfos, precisamente, como referiu a nossa guia, nas partes mais antigas dos seus muros. Visitei antes de mais a sauna ritual, ou sagrada, porque a Citânia é enorme e não dispunha de muito tempo para a minha visita, já que ainda tinha pela frente muitos quilómetros até chegar a casa. A sauna está relativamente bem conservada e a sua pedra formosa, se bem que menos impressionante que a outra guardada no museu da localidade, também é muito bonita com os seus símbolos célticos.

Claro que haveria muitos outros lugares a visitar por ali, mas mesmo assim amei esta peregrinação em honra das Nove Senhoras, da nossa ancestralidade, das nossas raízes sagradas e da nossa Grande Deusa. De notar por exemplo como o topónimo Briteiros faz referência à grande Deusa celta - os briteiros seriam os devotos de Brígida/Brigântia/Brigite/Brites/Brito.

Viajar acompanhada é muito bom mas sozinha tem um saber todo especial pois os nossos sentidos podem ficar mais alerta sem as distracções da conversa, embora por outro lado a companhia de alguém também possa acrescentar à nossa experiência do lugar.

Gratidão à Deusa e à Vida por esta aventura que tanto agrada à Donzela Exploradora em mim. Abençoada!

@Sacerdotisa Luiza Frazão

33 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo